segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Biologia-> A sindrome do bebe azul

A síndrome do bebe azul é uma má formação congênita do coração do bebe que não permite a oxigenação do sangue venoso que entra no coração possa ser feita de forma adequada. É uma situação complexa que deve ser explicado por um cardiologista. O certo é que pela baixa oxigenação do sangue que passa a circular a pele e extremidades do bebe fica com a cor azulada ou arroxeada.

Johns Hopkins University School (1941-1964), onde se dedicou ao estudo da cianose ou síndrome do bebê azul. Em Baltimore, depois de muitas experiências com animais, realizou em uma criança de cianótica (1944) que sobreviveu a operação e lentamente recuperou-se, aquela que seria a primeira operação de Blalock-Taussig, o segundo e importante marco no desenvolvimento do tratamento cirúrgico das cardiopatias: a anastomose subclávia-pulmonar no tratamento dos casos de Tetralogia de Fallot, assunto que pesquisava com a cardiologista infantil Helen Brooke Taussig. O sucesso levou médicos do mundo inteiro viajarem para o Johns Hopkins Hospital para aprender com Taussig como fazer a diagnose e com o famoso médico como executar a anastomose

5 comentários:

  1. O filme "Quase deuses" explica muito bem esses ocorrimentos,totalmente indicado...É um filme muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Não podemos esquecer o cirurgião que descobriu a cura... não foi Blalock, mas sim seu companheiro que o guiava (sim, Blalock foi guiado) Vivien Thomas. Ele foi o cabeça de tudo isso, quando Blalock viu seu domínio em saturar uma artéria, ele disse: "Vivien, isso parece que foi Deus quem fez!"
    Blalock recebeu todo o reconhecimento e Vivien nunca foi mencionado pela mídia porque Vivien Thomas era negro, na época do Aparteid.

    ResponderExcluir
  3. Eu assistir o filme ,e aconteceu na minha vida,tive um filho com este problema.Ele fez o Blalack com o1 ano e viveu ate os trez.sinto falta dele,realmente ele era azulado depois da cirurgia ficou branquinho e com o rosto corado.Muito lindo

    ResponderExcluir
  4. Gostaria de conhecer outras pessoas que tiveram crianças com tetralogia de fallot,sinto nessecidade de trocar experiências ,de falar um pouco que eu sei e vivi com meu filho Alan

    ResponderExcluir